Desfralde

Desfralde

Começamos com o ritual de passagem, do Henrique: a retirada das fraldas. Muitas mães que conheço me falaram que tiraram a fralda, de seus filhos, quando eles ainda tinham menos de dois anos. Como toda mãe, adoramos comparar nossos filhos com as dos outros e geramos uma ansiedade boba em nós, além de gerar ansiedade e insegurança nos nossos filhos! O fato, é que busquei a opinião do pediatra e a recomendação foi a seguinte:Esta passagem só poderá acontecer quando se constatar que o esfincteres já podem ser controlados, ou seja, quando as estruturas musculares que regulam a retenção e eliminação das fezes e urina já estejam prontas. Isto ocorre por volta dos dois anos (em média), quando a criança já anda e fala. Momento este em que deverá entender a linguagem dos adultos e saber manifestar seus desejos, responder comandos, reconhecer o sim e o não e manifestar certa consciência corporal.Outra dica foi começar, no verão, porque aí ele poderia ficar só de cueca ou até mesmo sem, dentro de casa por causa do calor.

O que posso dizer, é que está dando certo. Explicamos sempre, antes de tirar a fralda, que se ele sentir vontade de fazer xixi ou cocô deve falar: mamãe/ papai…xixi/cocô. Nas primeiras vezes ele falava no momento que já estava fazendo risos. Foi xixi no tapete, cocô no chão  e por aí vai..mas esta semana tivemos sucesso. Ele falou o que queria fazer e nós corremos com ele até o vaso sanitário e lá ele fez o seu xixi. Comemoramos muito depois: batemos palma, cantamos, demos parabéns etc.

A minha sogra comprou um troninho para o Henrique, mas ele prefere brincar com ele do que usa-lo da maneira correta. Agora, estou pensando em comprar uma escadinha que vem agarrado um redutor para vaso que você prende no vaso sanitário. Assim ele terá autonomia para subir, quando bem entender. Ainda está longe de tirar a fralda noturna, acredito eu, mas vamos com calma que no fim, tudo dá certo!!

A dica que posso deixar aqui é a seguinte: vão com calma, respeitem o tempo de seus filhos e principalmente, não briguem com eles quando fizerem xixi ou cocô fora do lugar apropriado. Eles não nasceram sabendo, precisam de tempo e da nossa ajuda para isso.Interferir negativamente no momento em que a criança mais precisa se sentir segura para enfrentar tão significativa mudança que é viver sem as fraldas, além de trazer danos, retarda o processo.

Esta tarefa deverá ser assumida de comum acordo entre pais e professores (se for o caso) para obter melhores resultados, em menor tempo. Isto depende de um trabalho conjunto, que respeite os mesmos procedimentos, que deverão ser respeitados tanto na escola quanto em casa.

Como saberemos se ela está pronta para iniciar essa tarefa tão importante?

Primeiramente a criança  avisa que o xixi ou o cocô saiu e nunca que vai sair, pois ainda não tem a percepção e nem a consciência corporal para isso. O fato de avisar já é um sintoma de que tem consciência da atuação dos esfincteres, percepção essa que antes não tinha.

O período preparatório é muito importante, é conveniente motivá-la a livrar-se das fraldas, comprando roupinhas que antes não existiam em seu armário, como calcinhas ou cuequinhas e comprando um peniquinho, que ficará ao seu dispor no banheiro, nunca em outro lugar.

É normal a criança ficar sentada por muito tempo e o xixi não sair, então se levanta e logo em seguida molha as roupas e o chão. É natural, saiu de lá, relaxou, soltou.

Nesse momento, acolha a criança convidando-a a participar da limpeza, pedindo sua ajuda. Essa é uma boa medida, além de ser uma atitude educativa é uma atitude de respeito à criança. Ela jamais deverá associar um ato de alívio e prazer que é a eliminação de excrementos a uma represália, isto pode gerar traumas irreparáveis.

Convide a criança a ir ao banheiro com frequência motivando-a para isso. Não pergunte se ela quer fazer xixi, pois sempre dirá que não, para não interromper suas brincadeiras.

Ao iniciar esse processo, faça a escolha de retirar as fraldas só durante o dia. Para ajudá-la nessa empreitada, retire as fraldas da noite em outra etapa.

Só retire as fraldas durante a noite, quando a criança amanhecer com elas sequinhas por dias seguidos. Durante o sono, a consciência corporal é que vai regular o mecanismo dos esfincteres. Evite dar líquidos antes de dormir e evitará que a criança molhe a cama nesse período de desfralde.

Uma vez retirada as fraldas, jamais volte atrás, recolocando-as para evitar constrangimento ao sair de casa. A decisão tomada deverá ser definitiva. Saia de casa prevenida com uma sacola de roupas, calçados e meias etc…  Voltar atrás nessa decisão deixa a criança confusa e retarda o processo. É preciso uma boa dose de paciência e muita perseverança.

Vale lembrar que nesses primeiros momentos da retirada das fraldas, mesmo os meninos devem fazer xixi sentados, lembrem-se os pais que seu filho é apenas uma criança e isto não compromete sua masculinidade. Só mais tarde os meninos conseguirão fazer isso com segurança sem molhar a superfície ao seu redor.

A duração da maratona varia de criança para criança, mas depende muito da certeza do processo e da eficácia de sua aplicação. A intenção convicta, as informações claras e a ação correta, garantem esta eficácia. Para que se efetive completamente os novos hábitos faz-se necessário aproximadamente seis meses.

Agora, mãos à obra, muita coragem e sabedoria para realizar esta árdua tarefa.  Afinal, educar é um ato de amor.

Anúncios