Lei da Cadeirinha

Lei da Cadeirinha

cadeirinha-como-usar

 

Em vigor no Brasil desde 2010, a Lei da Cadeirinha ajudou proteger milhares de crianças de acidentes de trânsito no país à fora. A legislação determina o uso obrigatório de bebê-conforto, poltrona de elevação (a famosa cadeirinha) e assento de elevação para o transporte das crianças no carro, dependendo da idade. Mas qual é o modelo mais indicado para cada faixa etária?

Medidas de idade e peso

Para garantir a segurança e a fiscalização, a resolução estabeleceu algumas medidas de idade e peso das crianças transportadas:

  • até um ano de idade devem ser transportadas em bebê conforto e de costas para o motorista;

  • entre 1 e quatro anos devem ser transportadas na cadeirinha adequada ao peso e altura;

  • entre 4 e 7 anos e meio devem ser transportadas no assento de elevação,

  • entre 7 anos e meio e 10 anos devem ser transportadas no banco traseiro.

Quais veículos devem obedecer a lei?

As regras da lei da cadeirinha não se aplicam aos veículos usados para fazer transporte coletivo, táxis, carros de aluguel ou veículos com peso superior a 3,5 toneladas.
Nos veículos escolares, de acordo com a resolução nº 541/2015, devem ser utilizados os dispositivos de retenção que sejam adequados a idade e peso das crianças.

Infração de trânsito

Quem transportar crianças fora das regras estabelecidas pela resolução poderá ser penalizado por infração ao art. 168 do Código de Trânsito. A infração é considerada gravíssima, com perda de 7 pontos na carteira de motorista, pagamento de multa e retenção do automóvel até a regularização da situação.

Quem não precisa seguir a regra

São casos de exceção às regras da lei da cadeirinha:

  • se a quantidade de crianças for maior que a capacidade de lotação do banco traseiro do carro será permitido que a criança mais alta seja transportada no banco da frente, sempre presa ao cinto de segurança;

  • nos carros que só existe banco dianteiro o transporte de crianças poderá ser realizado neste banco, com uso do dispositivo de retenção adequado ao peso e altura da criança;

  • se o carro possuir air bag  no banco da frente: a criança poderá ser transportada nesse banco, com o assento na última posição de recuo e com o dispositivo de retenção adequado ao peso e altura.

Anúncios
5 dicas para baixar a febre sem usar medicamentos

5 dicas para baixar a febre sem usar medicamentos

Febre-758x433

 

Basta notar algo de diferente no estado geral dos filhos para que a mãe leve uma das mãos à testa dos pequenos, meça a temperatura e diagnostique com precisão: febre.

A temperatura do corpo humano é ajustada para manter os órgãos internos em torno de 37° C, mas quando o organismo tem de combater algum agente que o agride, como vírus ou bactérias, ele pode liberar substâncias que agem no termostato, fazendo-o elevar a temperatura do organismo 2 ou 3  graus Celsius acima do valor habitual.

A forma mais confiável de aferir a temperatura é medi-la por via oral ou retal. Em crianças, a maioria dos médicos classifica como febre a temperatura retal acima de 38° C, mas alguns consideram febre temperatura retal acima de 37,7° C ou 38,3° C. A temperatura axilar varia de 0,4° C a 0,8° C mais baixo que a temperatura retal.

A maior parte das pessoas recupera-se de febres comuns naturalmente, com o tempo, conforme o sistema imunológico age. Mas como o estado febril traz sintomas desagradáveis, muitos apelam para medicamentos desnecessariamente. Mas existem cinco dicas simples para auxiliar na regulação da temperatura corporal sem o uso de remédios:

* Faça compressas frias no tronco e nos membros usando toalha úmida ou bolsa térmica. Mas lembre-se: caso a criança se queixe de muito frio e se sinta mal em contato com a umidade, não faça as compressas, pois elas podem piorar seu estado.

*Para cada elevação de 1º C na temperatura corporal, o consumo de energia é 12% maior que o habitual, portanto é ideal se alimentar adequadamente. É importante fazer  uma dieta leve, com alimentos de fácil digestão, para que o organismo não queime muita energia tentando digerir a comida.

* A febre acelera os batimentos cardíacos (para cada grau elevado há aumento de 15 batimentos por minuto), o que provoca maior gasto de energia. Por isso, é importante repousar e evitar sobrecarregar o organismo com atividades físicas. Isso não significa que a pessoa precise passar o dia deitada. Basta não se esforçar em excesso e descansar o máximo que conseguir.

* A velha dica de tomar banho para baixar a temperatura também é válida, porém evite a água fria. Embora ela realmente ajude a diminuir a temperatura, ela aumenta a frequência cardíaca, que já está acelerada por causa da febre. Portanto, o ideal é deixar a água morna escorrer por bastante tempo sobre o corpo, o que também contribui para seu relaxamento.

*É importante também beber bastante água. Além de hidratar o corpo, que costuma perder água durante a febre, o líquido auxilia na regulação térmica do organismo.

 

Um beijo

Cátia Menezes

 

Como tirar mancha de amoeba

Como tirar mancha de amoeba

noticia_capa_4399_9ace799b18ca12c4581e1d895ff7ff16_g

Amoeba: as crianças adoram e as mães ficam desesperadas quando veem que ela grudou em algum lugar que não devia.

Mas eu te trouxe a solução para este problema. Confira o passo a passo de como remover mancha de amoeba de tecidos, tapetes, estofados, colchão etc.

Ingredientes:

  • Sabão líquido de sua preferência, suficiente pra cobrir a mancha (na falta use detergente lava louça)
  • Escovinha
  • Água quente

Modo de fazer:

  1. Remova o excesso de amoeba com espátula ou escovinha
  2. Cubra toda a mancha com sabão líquido, esfregue com escovinha
  3. Aplique água quente com um pano 
  4. Deixe de molho por uns 20 minutos, esfregue
  5. Enxague
  6. Seque com secador de cabelos

Temperatura da água:

A água quente ajuda remover, facilitando o trabalho. Caso seu tecido não possa ser lavado em água quente, deixe de molho por mais tempo. Não tem milagre, tem que esfregar, mas solta com facilidade .

Viram como é fácil e funciona?

Um beijo

Cátia Menezes

Bolo de banana de frigideira

Bolo de banana de frigideira

Banana-Calorias-e-Informaçoes-Nutricionais-e1519161666998-364x205

 

Ingredientes

1 banana prata ou nanica madura amassada
1 ovo batido
2 colheres de sopa de farinha de aveia
1 colher de café de óleo de coco
1 colher de café de canela
1 colher de sobremesa de uvas passas
2 colheres de café de fermento químico

 Modo de fazer

Misture os ingredientes nessa ordem e mexa até que forme uma massa homogênea. Unte uma frigideira pequena com óleo de coco e despeje a massa. Tampe e deixe assar em fogo baixo. Se necessário, coloque uma grelha sobre a outra para não queimar o fundo.
Após assar de um lado, vire e espere assar do outro.


Ele é simplesmente delicioso!

Um beijo

Cátia Menezes 

Doença mão-pé-boca

Doença mão-pé-boca

Screenshot_3-2.png

 

A doença mão-pé-boca (HFMD, sigla em inglês) é uma enfermidade contagiosa causada pelo vírus Coxsackie da família dos enterovírus que habitam normalmente o sistema digestivo e também podem provocar estomatites (espécie de afta que afeta a mucosa da boca). Embora possa acometer também os adultos, ela é mais comum na infância, antes dos cinco anos de idade.

São sinais característicos da doença mão-pé-boca:

febre alta nos dias que antecedem o surgimento das lesões;

aparecimento na boca, amídalas e faringe de manchas vermelhas com vesículas branco-acinzentadas no centro que podem evoluir para ulcerações muito dolorosas;

erupção de pequenas bolhas em geral nas palmas das mãos e nas plantas dos pés, mas que pode ocorrer também nas nádegas e na região genital.

A transmissão se dá pela via fecal/oral, através do contato direto entre as pessoas ou com as fezes, saliva e outras secreções, ou então através de alimentos e de objetos contaminados. Mesmo depois de recuperada, a pessoa pode transmitir o vírus pelas fezes durante aproximadamente quatro semanas.

Não existe vacina contra a doença.

SINTOMAS

O período de incubação oscila entre um e sete dias. Na maioria dos casos, os sintomas são leves e podem ser confundidos com os do resfriado comum. Quando a doença mão-pé-boca se instala, a erupção das lesões é antecedida por um período de febre alta e gânglios aumentados, seguido de mal-estar, falta de apetite, vômitos e diarreia. Por causa da dor, surgem dificuldade para engolir e muita salivação. Por isso, é preciso redobrar os cuidados para manter as crianças bem hidratadas e recebendo alimentação adequada.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico é clínico, baseado nos sintomas, localização e aparência das lesões. Em alguns casos, os exames de fezes e a sorologia (exame de sangue) podem ajudar a identificar o tipo de vírus causador da infecção.

TRATAMENTO

Ainda não existe vacina contra a doença mão-pé-boca. Em geral, como ocorre com outras infecções por vírus, ela regride espontaneamente depois de alguns dias. Por isso, na maior parte dos casos, o tratamento é sintomático com antitérmicos e anti-inflamatórios. Os medicamentos antivirais ficam reservados para os casos mais graves.
O ideal é que o paciente permaneça em repouso, tome bastante líquido e alimente-se bem, apesar da dor de garganta.

RECOMENDAÇÕES

* Nem sempre a infecção pelo vírus Coxsackie provoca todos os sintomas clássicos da síndrome. Há casos em que surgem lesões parecidas com aftas na boca ou as erupções cutâneas; em outros, a febre e a dor de garganta são os sintomas predominantes.
* Alimentos pastosos, como purês e mingaus, assim como gelatina e sorvete, são mais fáceis de engolir; já os alimentos ácidos, muito quentes e condimentados são mais difíceis;
* Bebidas geladas, como sucos naturais, chás e água são indispensáveis para manter a boa hidratação do organismo, uma vez que podem ser ingeridos em pequenos goles;
* Crianças devem ficar em casa, em repouso, enquanto durar a infecção;
* Lembre sempre de lavar as mãos antes e depois de lidar com a criança doente, ou levá-la ao banheiro. Se ela puder fazer isso sozinha, insista para que adquira e mantenha esse hábito de higiene mesmo depois de curada.

 

Nidação ou menstruação?

Nidação ou menstruação?

o-que-e-nidacao

 

Um dos sintomas possíveis da nidação, ou fixação do óvulo fecundado na mucosa uterina, é um sangramento ligeiro, designado sangramento de nidação. Mas como saber se está grávida ou se é apenas mais um período menstrual?

A nidação ou implantação do embrião fecundado na parede uterina ocorre entre o 5º e 10º dia após a concepção, ou seja, uns dias antes do dia em que contava com a chegada do período menstrual.

A proximidade da data de ambos os eventos deixa muitas mulheres confusas sobre se estão ou não grávidas.

Convém referir que a nidação pode ou não dar origem a sintomas e que nem todas as mulheres passam pelos mesmos sintomas na gravidez.

Um dos sintomas de nidação consiste num sangramento ligeiro. Trata-se, na maior parte dos casos, de um fluxo mais ligeiro do que o fluxo menstrual, podendo durar apenas algumas horas, ou alguns dias.

Em alguns casos observa-se uma mancha de muco acastanhada ou rosada, em outros casos uma pequena quantidade de sangue vermelho.

O sangramento menstrual será mais fácil de identificar já que ocorre todos os meses durante a sua vida fértil. Normalmente, a menstruação dura mais dias e a perda de sangue é maior quando comparada ao sangramento de nidação.

Na menstruação, o sangue é brilhante, de cor viva enquanto no sangramento de nidação é acastanhado ou rosado.

As cólicas abdominais, que algumas mulheres dizem sentir e associam à nidação, também podem afetar a mulher não grávida não sendo, por isso, um sintoma que possa ser usado para confirmar uma gravidez.

Caso esteja realmente grávida, a perda de sangue cessará, na maioria das mulheres, em poucos dias. Contudo, a melhor forma de confirmar a gravidez é realizando um teste de gravidez de farmácia.

Quando começam os enjoos na gravidez?

Quando começam os enjoos na gravidez?

symbolistic-icon-vomiting-because-of-love-913-1644

Os enjoos da gravidez iniciam em torno da 5ª e 6ª semana de gestação, ou seja, no segundo mês da gravidez.

Enjoo com ou sem vômito é um dos sintomas mais comuns no início da gestação.

O enjoo pode vir como sintoma isolado ou acompanhado de outros como aumento da sensibilidade nos seios, cansaço e aumento da frequência urinária.

Nem toda grávida vai sentir enjoos nas primeiras semanas da gestação.

Em geral, os enjoos começam no segundo mês da gestação, ficam mais intensos no 2º e 3º mês e a partir do 4º e 5º mês há melhora significativa dos enjoos. Porém, isso é relativo e cada mulher pode sentir com maior ou menor intensidade.

Algumas mulheres podem prolongar os enjoos para os outros meses da gestação.

Os enjoos podem ser controlados e reduzidos com uso de algumas medicações, alimentos como gengibre, acupuntura, hipnose ou demais terapias. Converse sobre isso com o/a médico/a durante as consultas de pré-natal.