Aborto espontâneo

Padrão

O que é aborto espontâneo?

É quando a gestação é interrompida naturalmente, pelo próprio organismo da mulher. Isso deve ocorrer até o quinto mês e o feto não pode ter mais de 500 gramas. Depois desse período e antes do termo (38 semanas), já é considerado morte fetal por prematuridade.O aborto pode ser precoce, quando ocorre até a 12ª semana completa, e tardia, entre a 12ª e a 20ª. Os sintomas mais comuns são sangramento e dores abdominais e a gestante deve avisar o médico , se isso ocorrer, para que ele avalie a necessidade de exames e procedimentos posteriores, como a curetagem – uma espécie de limpeza do útero, que nem sempre consegue expelir tudo sozinho.

Por que acontece?

As causas são muitas. Aqueles abortos que ocorrem  bem no início da gestação, nas primeiras duas ou três semanas, são muito difíceis de serem diagnosticados. Isso porque é complicado colher qualquer material para exame, já que eles são similares ao da menstruação normal e não precisam de nenhum procedimento posterior em consultório, como uma curetagem, por exemplo. Mesmo assim, cerca de metade de todos os casos de aborto se devem a anomalias cromossômicas, ou seja, embriões que não se desenvolvem bem já nas primeiras etapas da divisão celular e que não tem condições para sobreviver. Dá para falar que é mesmo uma seleção natural. Os outros casos estão ligados a algum problema do organismo da mulher. Entre os mais comuns estão o fator aloimune , quando o corpo rejeita o feto como um organismo estranho e invasor; doenças autoimunes, como lúpus; problemas endócrinos, como a deficiência na produção de progesterona para segurar  a placenta; alterações no funcionamento da tireoide; diabetes; miomas uterinos; colo do útero aberto e predisposição à trombose. Alguns fatores podem ser prejudiciais também, entre eles obesidade ou magreza extrema, uso de alguns medicamentos ou drogas, alcoolismo, tabagismo e uma infecção grave no início da gestação.

Quando é um problema?

É normal que você queira muito saber o que saiu errado. Mas a investigação médica só começa quando o quadro se transforma em aborto de repetição, isto é, por mais de três vezes consecutivas. Antes disso, os casos entram na estatística dos 20%  de gestações que não “vingam”. A partir das circunstâncias do aborto, os médicos vão avaliar se o problema está na saúde da mãe ou na do embrião. Neste segundo caso, pode ser preciso também avaliar melhor o parceiro, principalmente se as causas forem relativas a anomalias genéticas, que podem ser acidentais ou estarem ligadas ao DNA tanto do pai quanto da mãe.

Tem tratamento?

Para a maioria das situações, sim. As causas genéticas tem apoio da reprodução assistida, que pode selecionar embriões ou utilizar doadores de óvulos e esperma saudáveis.O colo do útero aberto pode ser reparado com um procedimento chamado cerclagem, que o fecha com pontos que só são retirados perto do parto. Para quem tem predisposição à trombose, doses de anticoagulante são receitadas. A tireoide também pode ser controlada com medicamentos e a progesterona, reposta.

É possível evitar que o aborto aconteça?

Não em todos os casos,mas, em especial no que diz respeito ao organismo feminino,existem maneiras de minimizar riscos. Uma das melhores atitudes é manter os exames e as visitas ao ginecologista em dia. Assim, é possível detectar e controlar problemas de diabetes, hipertensão, tireoide, descobrir e tratar miomas e avaliar o colo uterino.Além disso, manter as vacinas de doenças como rubéola em dia e tirar todas as dúvidas sobre algum medicamento que esteja tomando ajudam.

Se acontecer, quando é possível tentar de novo?

Se o aborto ocorreu nas primeiras semanas e você não precisou fazer curetagem ou outro procedimento, já pode tentar engravidar no próximo ciclo menstrual. Se houver intervenções médicas, é aconselhável esperar cerca de três meses ou após ter dois ciclos completos regulares. Pense também se você e seu parceiro estão lidando bem psicologicamente com a questão e não hesite em pedir ajuda e conselhos ao seu médico.

Anúncios

Sobre Mães de Plantão

Sou jornalista de formação, blogueira por paixão, esposa e full time mom de uma belíssima dupla: Henrique e Joaquim; uma mamãe ocupada por opção e de coração! Mães de Plantão é um blog com conteúdo voltado especialmente para mães, gestantes ou ainda, apenas simpatizantes desse grande projeto de vida chamado “ter filhos”. Logo que me tornei mãe, surgiu a vontade de compartilhar dicas e informações que fossem úteis para outras mães, com opiniões colocadas de uma forma bem direta, leve, descontraída e acima de tudo, honesta. Todo o conteúdo é criado e selecionado com muito carinho antes de ser publicado porque sei o quanto ficamos felizes e aliviadas quando encontramos alguém para dividir os mesmos dilemas deste, imenso,universo infantil.. Este blog serve para ajudar as mães de primeira viagem que assim como eu, sonharam por este momento único em suas vidas e querem dar o melhor de sí para este novo ser, que de alguma forma nos torna uma pessoa melhor a cada dia. Tornam sim, não por mágica. Tornam-nos melhores porque se não queremos que gritem não podemos gritar. Porque se não queremos que mintam não podemos mentir. Porque temos de cumprir o que prometemos se queremos que o façam algum dia. Aprendemos depressa que se queremos que não façam não podemos fazer. Sim, os filhos têm esse dom. O dom de nos obrigarem a pensar no que fazemos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s